Movimento Motivados
pela
evolução

Atuar com convicção e compromisso para com a qualidade, imparcialidade e sustentabilidade da distribuição, transporte, gestão e manutenção eficiente e otimizada de energia, é ser a rede de todas as redes, é

ENERGIA EM MOVIMENTO.

1

Mensagem dopresidente

1.1 ›

Mensagem
do Presidente

JOÃO FARIA CONCEIÇÃO, COO e membro da Comissão Executiva
RODRIGO COSTA, Presidente do Conselho de Administração e da Comissão Executiva
GONÇALO MORAIS SOARES, CFO e membro da Comissão Executiva

MANTER O
EQUILÍBRIO
POSITIVO

REFLETINDO A SOLIDEZ FINANCEIRA

Cumprimos positivamente os objetivos em 2017 e as bases para o futuro mantêm‑se sólidas.

2017 foi mais um importante ano para a REN em que globalmente sentimos que cumprimos bem os objetivos a que nos tínhamos proposto, seja nas áreas da gestão das nossas concessões como a nível dos objetivos sociais, económicos e financeiros.

Começando por destacar o nosso desempenho operacional — que mais uma vez esteve sempre alinhado com as melhores expectativas —, recordo que 2017 foi marcado pela tragédia dos incêndios que assolaram Portugal. Na REN, vivemos momentos difíceis que foram ultrapassados graças à preparação das nossas equipas e às medidas de prevenção que são parte integrante da forma como planeamos e efectuamos a manutenção as nossas infraestruturas. Durante os meses dos incêndios, A REN esteve em contacto estreito e permanente com as autoridades nacionais e regionais, prestando e ao mesmo tempo recebendo imenso apoio de todos os intervenientes na prevenção e combate aos fogos florestais, com destaque especial para a Proteção Civil, Bombeiros e Câmaras Municipais.

2017 foi mais um importante ano para a REN.

Os nossos destaques principais de 2017 foram os seguintes:

Ano recorde de consumo de Gás Natural, em que as nossas infraestruturas deram resposta plena às necessidades do País e em que em muitos dias estiveram perto de 100% da sua capacidade. Com a seca extrema, o recurso ao Gás Natural foi crítico para a gestão sistema energético em Portugal Continental. O Terminal de Sines registou os seus máximos de atividade no primeiro trimestre do ano.

Concretizámos com sucesso o investimento na Eléctrodos, no Chile, que tinha sido lançado em 2016.

Negociámos e concretizámos a aquisição da EDP Gás (anteriormente chamada Portgás), que detém a concessão de distribuição de gás natural na região Norte/Porto e é a segunda maior distribuidora de gás natural de Portugal.

Mantivemos a nossa
importante aposta na área da
inovação e investigação.

A aquisição da REN Portgás foi 50% financiada através de um aumento de Capital da REN SGPS de 250M€. O projeto recebeu todas as aprovações regulatórias necessárias, e a operação de aumento de capital foi bem recebida pelo mercado e correu dentro das melhores expectativas.

Como esperado, após estes investimentos mantivemos o nosso rating financeiro de Investment Grade junto das três agencias, Moody´s, Fitch and S&P. O custo da médio da nossa dívida passou de 3,2% em 2016 para 2,6% em 2017.

Para além de termos participado em inúmeros fóruns internacionais de energia como oradores convidados, bem como integrado diversos importantes projetos técnicos internacionais, em 2017 foram atribuídos à empresa e a seus gestores alguns prémios que muito nos honram e são o reflexo do nosso empenho. Exemplo disso são os prémios nacionais e internacionais alcançados pelo nosso Relatório e Contas; pelas Aplicações para dispositivos moveis REN Energia e REN Investidores; a distinção da nossa diretora de Recursos Humanos nos “Stevies Awards Womens in Business”; a escolha da nossa Direção Juridica pela revista The Legal 500 como uma das mais influentes e inovadoras na Peninsula Ibérica; e o reconhecimento de “Good Practice of the Year”, atribuído pelo Renewables Grid Initiative, pelo trabalho desenvolvido pelas nossas equipas na reconversão das faixas de servidão das infraestruturas da REN.

Mantivemos a nossa importante aposta na área da inovação e investigação, quer dentro de REN, quer através do laboratório NESTER, em parceria com o nosso investidor State Grid Corporation of China. Organizámos durante o ano diversos encontros, destacando um simpósio internacional realizado na REN — com a participação do Ministerio da Ciencia e Ensino Superior, SGCC, Nester, EDP, REE, FCT e IST —, em que foram apresentados e discutidos os grandes desafios que no futuro se irão colocar ao sector energético, nomeadamente nos temas de integração de energias renováveis, armazenamento, auto-geração e mobilidade elétrica.

Mas nem todos os eventos foram positivos.

No verão de 2017 houve uma iniciativa parlamentar no sentido de tentar reverter parcialmente a privatização da REN. Esta iniciativa viria a ser chumbada no Parlamento a 14 de junho, pela maioria dos deputados da Assembleia da República. Não quero deixar de referir que esta foi uma oportunidade para a REN apresentar ao Parlamento o bom trabalho que tem feito nos últimos dez anos, cumprindo escrupulosamente com as suas responsabilidades nacionais enquanto concessionária das redes de transporte de eletricidade e de gás natural.

2017 foi ainda o quarto ano em que a REN pagou o Imposto Extraordinário sobre o Sector Energético (CESE ), mantemos o nosso litígio nos tribunais, pois achamos que esta medida nada tem de extraordinário, é discriminatória e desequilibrada em relação à nossa dimensão. A nossa taxa de impostos corporativos, com a inclusão da CESE, é agora de perto de 44%.

Em 2015 apresentamos publicamente a nossa estratégia para o triénio 2015-2017. É com imenso orgulho que podemos dizer que cumprimos de forma muito positiva os nossos objetivos e as bases para o futuro se mantêm sólidas.

Na perspetiva operacional, mantivemos os elevadíssimos padrões de qualidade de serviço e segurança que são característica da REN, quer na área da Eletricidade como no Gás Natural. 

2017 foi um ano recorde de gás natural

Cumprimos as nossas métricas financeiras com sucesso e mantivemos uma gestão prudente, transparente e previsível.

Conseguimos concretizar projetos de investimento, Nacionais e Internacionais, que são peças fundamentais para uma estratégia estável e sustentável de longo prazo.

O nosso estudo de satisfação de colaboradores realizado em 2017 revelou uma evolução muito favorável, com consolidação da cultura e imagem da REN.

A nossa gestão de recursos humanos mantém um rumo de aposta no desenvolvimento dos nossos colaboradores através de programas multidisciplinares, em que é feito um investimento significativo e tem elevado impacto nos níveis de motivação e e preparação de todos os abrangidos.

Mantemos o nosso compromisso na defesa dos princípios do Global Compact das Nações Unidas e acreditamos que a diversidade de género associada à igualdade de oportunidades são muito importantes para a estabilidade de médio e longo prazo.

Finalizo esta minha nota de introdução ao Relatório e Contas de 2017 agradecendo todo o empenho dos nossos colaboradores, dos nossos membros do Conselho de Administração e a confiança de todos os nossos Acionistas e Parceiros.

Obrigado,

RODRIGO COSTA
Presidente da Comissão Executiva